Buscar
  • Kamila Lopes

Como venho aprendendo o famoso "English" (PT)


Faço essa publicação pensando nos amigos que me perguntaram como aprendi e estou aprendendo inglês. Não sou fluente, não falo 100% correto e minha pronúncia não é a melhor, mas aqui está uma pessoa focada, organizada e que já tentou muitas formas de estudo. Comecei minhas aulas de inglês aos 13 anos, em uma escola de idiomas, lá também fiz um ano de Espanhol e até hoje o que eu sei de Espanhol foi dessa época. Inclusive, quero voltar a estudar essa língua. - whatever. Parei por um tempo... lembro que meu sonho era escutar uma música e entender. Hoje, entendo boa parte do que escuto e se pegar a letra é certo que entenderei 90% sem ver a tradução. Meus pais me matricularam em outra escola de idiomas e nela fiquei dos 16 aos 19 anos, onde terminei o curso esgotada e chateada porque não tinha a fluência que achei que teria. Claro, que não teve esforço nenhum fora da sala de aula, logo, esse seria o resultado. Algumas coisas permaneceram no meu subconsciente. Decidi voltar a estudar aos meus 21 anos, quando pelo acaso do destino, tive a oportunidade de produzir uma matéria com 15 alunos do curso de Medicina de uma Universidade estrangeira. Fiquei com medo, pensei: e agora? E tive a ideia de fazer aulas particulares com o foco na entrevista. Conheci meu primeiro professor particular (@valter_chagas1), ele me motivou demais e acabei sendo sua aluna por um ano. Foi ele que me ajudou a colocar as peças, que estavam todas soltas, em um lugar melhor. Foi com ele que eu descobri a técnica da repetição. Toda aula decorávamos as falas de um pequeno texto da unidade. O amor pelo idioma aumentou. Tive outra oportunidade no trabalho e dessa vez fui motorista de um diretor cinematográfico dos Estados Unidos, foram 2 dias dirigindo para um cara fantástico! Foi depois dessa oportunidade que decidi fazer um intercâmbio para o Canadá.

Infelizmente tive que parar com as aulas semanais, para poder pagar o intercâmbio. Triste, mas foi necessário. Nesse tempo fiz algumas aulas particulares com um outro professor que coube no orçamento. Foi dele que ganhei o livro "Fale Inglês como um Americano", editora disal. Era o único meio, fora da aula, que eu estudava. Com esse professor, aprendi um vocabulário novo, pois antes de cada aula a gente fazia uma oração e lia a bíblia (tudo em inglês). Valeu a experiência. Chegou o tão sonhado intercâmbio. Aulas todos os dias mais a imersão. Foi ali que realmente vi o meu avanço. Entrei em uma sala de aula com 15 alunos, vi que poderia me forçar mais e pedi para subir de nível: melhor decisão. Foram 3 semanas com apresentações, um minuto falando sobre um tema, conversando com pessoas do mundo do todo e aprendendo muita coisa nova e revisando outras. Voltei zerada financeiramente, da viagem que planejei com um ano de antecedência. Não tinha como pagar aulas particulares, mas voltei querendo aprender mais e mais. A famosa água, bateu na bunda. Foi nesse momento que (re)descobri uma coisa chamada internet, nela tem youtube, Instagram com muitos professores compartilhando conteúdo gratuitamente. No meio de pesquisas encontrei uma plataforma on-line com um conteúdo enorme. Vídeo aulas, livros online, grupo no Whats App e com um preço que eu poderia parcelar no cartão. A partir deste ponto o foco era a plataforma. 5 meses fazendo dessa forma para não jogar, o dinheiro gasto no intercâmbio, no lixo. Nesse tempo comecei a seguir alguns IG no instagram, continuo aprendendo muito com eles e vale muito a pena compartilhar com todos que me perguntam: @inglesyougetit @ingles2day @ingleswinner @inglessemneura, todos Brasileiros e um americano: @gringolingo.br Em Dezembro pedi demissão da TV onde trabalhava e a partir dai, todos os dias, como um mantra, levantava mais cedo, organizava a casa com a minha mãe e sentava na mesa da sala para estudar. Comecei a escrever as músicas que eu gostaria de aprender. Assistia séries com legenda e áudio em inglês. Voltei a estudar os livros que ainda tinha das aulas particulares e também voltei com o "Fale Inglês como um Americano". Todo dia era um conteúdo diferente para não cansar. Conheci a plataforma italki e comecei minhas aulas com um professor Canadense. Ele me ajudou muito e novamente, eu estava em contato com nativo.

Também escutava os podcasts que o iphone oferece gratuitamente. Escutava e ainda escuto: "All ears English" e "Inglês todos os dias". Depois de toda a dedicação, a vontade de aprender mais, só aumentou. Passou Janeiro e Fevereiro e a ideia de ser Aupair falou mais alto, Deus preencheu meu coração com esse sonho e vim parar em Nova Jersey - EUA. Cheguei nos Estados Unidos e o tombo foi grande, pronúncia diferente e muuuito vocabulário novo para aprender, praticar, lembrar e inserir no dia a dia. Por 5 meses arrastei com a barriga, aprendi por pura inércia, sem dedicação.

Um dia a ficha cai e a minha caiu.

Entrei no curso de *Marketing no College Saint Elizabeth, me matriculei no *English as a Second Language no Madison High School e comecei a ir no *curso gratuito de inglês que a biblioteca oferecia. Nos outros dias da semana estudo a plataforma online que comprei quando voltei do Candá, vejo os IGs do instagram, escuto e leio letras de músicas, todo dia pela manhã eu escuto vídeos motivacionais em inglês e durante o almoço são os podcasts que me fazem companhia. Estou reescrevendo as falas do meu filme preferido. Faço pelo menos uma unidade do Livro "Fale Inglês como um Americano" por semana. Converso com amigos nativos por mensagem, converso com a mãe das crianças pela manhã, com as crianças durante o dia e com o pai deles durante a noite. Se vejo uma frase que gostaria de aprender: escrevo no bloco de notas e fico repetindo. Às vezes compro uma aula no italki e por ai vai... Não é fácil, é preciso esforço e dedicação. É preciso de mais uma coisa, que muitos esquecem: MOTIVAÇÃO. Você pode até me falar que semana passada você estava motivada, hoje já não está. Acontece é que - motivação não dura. Bem, nem o banho. por isso que é recomendado fazê-lo todo dia.

A motivação muda, o que te motivava: não motiva mais.

Então, muda. Muda de caderno, muda de método, muda de professor, muda de música, muda de livro. Muda até encontrar algo que te motive novamente.

Um dia esse algo não te dará mais o que você precisa, hora de mudar de novo.

Fazer o novo, de novo. Você pode estar se perguntando o porquê de não dar as ferramentas sem contar a minha história, mas como disse Steve Jobs: "You can't connect the dots looking forward; you can only connect them looking backwards. So you have to trust that the dots will somehow connect in your future".

Se você não encontrou uma maneira ainda, continue procurando, continue testando, continue tentando o novo, de novo.

Se alguém precisar de ajuda para fazer um cronograma semanal, tentando encaixar o inglês no dia a dia, estou à disposição.

Fiz esse post pensando em você.


22 visualizações

© 2016 by Kamila Lopes. Todos os direitos reservados.